domingo, 28 de outubro de 2012

Time de Guerreiros

Há quem queira comparar o time atual do Fluminense com a Máquina e o Timinho.

É indiscutível o que esses dois elencos fizeram na história do futebol e principalmente do Fluminense, foi épico. Porém, se algo tem que ser chamado de épico neste texto, será o Fluminense de 2009 para cá. O Fluminense que eu vi e vivi.

Lembro-me até hoje da primeira vez em que fui ao Maracanã. Fluminense x Goiás em 2009 e uma derrota por 4x1. O Fluminense afundado na zona de rebaixamento e os famosos "cinco mil de sempre" apoiando durante todo o ano. O desfecho, todos sabem. Time de Guerreiros e uma incrível reação no fim do campeonato.

Em 2010, do fundo do poço à glória. O Time de Guerreiros mais uma vez deu o ar da graça e com uma campanha impecável, tirou o titulo do Corinthians no ano do centenário - em 2009, rebaixamos o Coxa também no centenário - e sagrou-se como o destruidor dos centenários - não é preciso nem citar flaxFlu de 95, certo? -, de acordo com a nossa apaixonada torcida.

Em 2011, não saímos com o título, que bateu na trave na reta final. Após um campeonato regular o Flu ficou com a vaga na Libertadores depois de perder pontos importantes nos últimos jogos - que possivelmente, renderia o título de bi-campeão e tetra.

Em 2012, campeões cariocas e com uma campanha espetacular no brasileirão. Apesar de todo o chororô, o Fluminense não se abate e joga o seu jogo. Jogo esse, que por mais feio que seja, nos rendeu a liderança e os nove pontos de vantagem para a 'sensação do campeonato'. E que time é esse? Time de Guerreiros. Aquele que nasceu lá em 2009 e vem orgulhando sua torcida desde então - como o próprio Abel disse.

O Time de Guerreiros tem uma forma épica. Ele já nasceu épico.
Podem compara-lo a Máquina e ao Timinho, mas na minha humilde opinião, ao invés de apelida-los de Nova Máquina, chamem-os pelo que são: Guerreiros.

Se precisa de história para criar 'nome' para um time, ela já foi feita e continua sendo escrita.

Saudações Tricolores.


quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Dos Males o Menor

O Fluminense fez ontem no Engenhão, talvez, a sua melhor apresentação no Campeonato Brasileiro. Apesar de conceder algumas chances ao Grêmio no início do jogo, sobretudo em chutes de Elano e levando uma bola despretensiosa na trave, o tricolor teve o controle das ações durante boa parte do jogo.


A equipe não se abalou com o gol de Elano, já no segundo tempo. Partiu pra cima e virou com gols de Digão e Rafael Sóbis (esse, um golaço de perna esquerda). A expulsão de Marcelo Moreno, que acabara de entrar, deu a certeza a todos que a vitória estava próxima. E estava mesmo. Mas o tricolor, em vez de tocar a bola para abrir os espaços optou por colocar um jogador aberto pra buscar a correria.



Assim, descompactado, surgiu a falta cobrada por Leo Gago. Cavalieri falhou, a zaga não cortou e Zé Roberto fez seu primeiro gol no campeonato brasileiro. Um ducha de água fria em uma torcida que cantou o jogo todo e conduziu o time a virada.

Porém, o saldo ao final da rodada ainda foi positivo. Com o empate entre Peixe e Galo, a diferença foi mantida em 9 pontos porém com uma rodada a menos. Restam 21 pontos em disputa e o Fluminense precisa ganhar 13 para matematicamente conquistar o Tetra Campeonato. Uma vitória, domingo, sobre o claudicante Atlético-MG e o tricolor terá uma mão e 4 dedos na taça de 2012.

Nada está ganho mas está bem encaminhado. Com os resultados dessa quarta, dos males o menor.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Pés no chão e rumo ao Tetra

O caminho é o certo: nove pontos do segundo colocado e uma campanha impecável. A sorte do nosso lado. Grande goleiro e grande atacante, além de um grande meio-campo. Uma torcida que apoia, que vibra o jogo inteiro. Porém, uma necessidade: humildade, pés no chão.

Em 2010 não havia essa enorme vantagem, sofremos até o fim. Agora, com a história diferente e a nosso favor, resta a pergunta: será que somos tão humildes assim?

Tentamos conter a euforia - quase impossível - mas já vejo pessoas dizendo que acabou, que é nosso. Calma, amigos. Sabemos que o final e o impossível podem ser traiçoeiros e ninguém os conhece tão bem quanto nós. Nossos "queridos" rivais se apoiam em nossas próprias voltas por cima para se reerguerem e tentarem nos tirar esse título.

Nada está ganho, assim como nada está perdido. Agora, mais do que nunca, só depende de nós e o Fluminense somos NÓS.

Quarta-feira é dia de casa cheia, é dia de show da torcida, dia de show do nosso Tricolor.
Saudações Tricolores e rumo ao Tetra.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Adidas, mais respeito com o Fluminense!


A Adidas está presente na vida dos tricolores há 16 anos, tempo suficiente para conhecer o gosto do tricolor e atender os desejos dessa torcida que é fiel e busca consumir sempre os produtos oficiais do clube, e quem ganha com isso? A Adidas, é claro!
Se quando a gente inicia um relacionamento e em um mês já conhecemos bastante os nosso parceiro ao ponto de saber o que ele gosta ou não, quem dirá uma parceria de 16 anos?! Mas cada dia que passa vejo mais e mais tricolores reclamando dos produtos Adidas, confesso que algumas vezes me controlo por ser fã da marca e não consigo associar o Flu a outra marca. Não vou entrar no caso Adidas e Flamengo, estou tão por fora desse assunto que prefiro me manter neutra, mas posso falar do Flu e Adidas, como torcedora e consumidora.
Quando fui a uma loja Adidas em 2009, o Flu estava naquela arrancada, foi a única vez que fui nesta loja no Rio de Janeiro, os produtos do Flu estavam no fundo da loja e os do Palmeiras num ponto estratégico e visível, desde então comecei a questionar a forma como a Adidas trata a torcida e a marca Fluminense.
 Eu sempre compro minhas camisas e produtos do Fluzão na Só Tricolor da Tijuca ou em lojas esportivas, noto que muitas vezes essas ultimas buscam dar destaque aos quatro clubes de forma igual, por quê? Sabe que se ela colocar muito Flamengo, os outros três vão reclamar e a lei do marketing e vendas é “o cliente sempre tem a razão”, então sempre vamos buscar agradá-lo.
O que tem sido nossos últimos uniformes? Confesso que amo todos, menos essa camisa que é coladinha no corpo, é horrorosa! Aí para nós mulheres o que temos de interessante?! Foram anos de camisas apertadas, muitas vezes não favoreciam as curvas femininas. Agora os modelos estão mais larguinhos, e também não está agradando a maioria! Então finalmente fazem um vestidinho, que pra muitas foi a total falta de senso. Quando vemos aquele tradicional que é vendido pela Fluboutique e esse Adidas, realmente aquele antigo continuará sendo nossa escolha.
A Adidas tem o potencial de fazer a gente se encantar por qualquer produto se ela quiser, fazer coisas incríveis, como os produtos dela, inovar em nossas camisas, surpreender e sair do convencional, apesar de nós tricolores sermos muito apegados a tradição, mas as vezes um novo pode ser legal, mas quando ela faz isso é frustrante, parece que economiza nos recursos para criar nossas camisas, economiza na criatividade, na imaginação.
Outro fator que gerou revolta, foi colocar as camisas da coleção 2012/2013 a venda antes do lançamento oficial no Clube, é muito constrangedor, mas esse constrangimento só ficou menor perto da repetição justo da camisa n° 1 da série de camisas comemorativas dos 110 anos do Clube.
Uma marca gigantesca não pode cometer tantas mancadas como a Adidas cometeu esse ano, ainda mais agora que ela será a fornecedora do nosso maior rival, se o tratamento nos pontos de venda for diferenciado, favorecendo o Flamengo, serei forçada a entrar pra turma que quer fora a Adidas, como gestora de marketing eu acredito que todos os clientes devem ser tratados iguais, como torcedora acho que os 16 anos de consumo devem ser levados em consideração.
Se quer continuar ganhando o apoio dos tricolores, acredito que deveriam ir buscar saber nossos desejos, fazer pesquisas de mercado com nosso torcida, saber o quanto estamos satisfeitos e insatisfeitos, já foi comprovado que a maior parte dos tricolores só adquire produto oficial, e quem ganha é quem produz, e quem paga merece respeito e consideração. 

Por: Raquel Rouvier


domingo, 16 de setembro de 2012

A Crônica da Derrota Anunciada

A derrota para o lanterna Atlético-GO era uma questão de tempo. Poderia não acontecer diante do Dragão mas fatalmente viria em algum momento. Há muitos jogos que o Fluminense não joga um bom futebol. Mesmo nas vitórias nossas atuações têm sido muito ruins e, via de regra, temos sido dominados pelos adversários, conseguindo os resultados graças à individualidade do melhor elenco do Brasil.

Ontem essa individualidade não deu o ar da graça. Sem Fred e Deco, além de Wagner, e com Thiago Neves mal posicionado em campo (ele não e meia, nunca foi) o Fluminense se viu preso em sua própria falta de capacidade tática de decidir o jogo com a bola rolando. Carlinhos, sempre sonolento, fez uma das piores partidas que já vi um lateral fazer e foi corretamente substituído por Wallace no intervalo.

O Dragão, por sua vez, foi a Volta Redonda para jogar no contra-ataque e poderia ter decidido o jogo no primeiro tempo. Além dos 2 gols, teve outras duas chances claras desperdiçadas. Quanto mais o Fluminense atacava (sempre desordenado, desorientado) mais o time goiano era perigoso no contra-ataque.

O segundo tempo veio com a saída do Samuel para a entrada do Higor. Assim, Abel desfez a má escalação inicial mas, com o time correto, só tinha 45 minutos e uma desvantagem de 2 gols. O time melhorou deu menos espaços ao adversário mas, desordenado e sem saber o que fazer com a bola rolando, jogou o tempo todo no chuveirinho.

Até que Michael, que entrara no lugar do Sobis, aproveitou rebote da zaga e marcou o gol tricolor, dando esperanças à torcida que compareceu em bom número ao Raulino de Oliveira. Mas, se sobrou vontade de reverter o placar, faltou organização, movimentação e bola parada, nossa única arma ofensiva. Numa delas, Jean bateu falta rente a trave. No fim, já no desespero, Michael, em linda bicicleta quase marcou com o goleiro Marcio fazendo importante defesa.

Não havia tempo pra mais nada e o Fluminense sofreu sua segunda derrota e passa a ter que torcer contra os rivais, Atlético-MG e Grêmio. Opa, torcer pelo Flamengo contra o Grêmio????? Jamais!!!

Que o Fluminense trate de vencer seus jogos. Que a volta de Deco e Fred seja até o final do campeonato. Que não tenham mais lesões e que Fred pare de tomar cartão por simulação ou reclamação. Que Abel tenha um "sopro de luz" e entenda que mais de 60% de um jogo de futebol são feitos com a bola rolando. Ainda é possível, mas perdendo 7 pontos para Figueirense e Atlético-GO fica muito complicado.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

E nasce a liderança

Contra o Corinthians o jogo foi pegado, difícil e o empate não permitiu. Contra o Figueirense, jogo bom, vitória sendo construída com relativa facilidade no segundo tempo mas Abel, com seus erros de substituição, não deixou. Ontem não teve erro. Abel mandou bem, o time teve bons momentos e a vitória contra o Santos levou o Fluminense a liderança do campeonato brasileiro, 2 pontos a frente do Atlético-MG (que tem 1 jogo a menos).

E a liderança veio com uma bela atuação do trio Carlinhos (principalmente no primeiro tempo), Wagner e Wellington Nem. Este último marcando 2 gols, sendo 1 de cabeça. Uma raridade para quem tem 1,67m. E a liderança veio, também, com direito a golaço do Samuel.

Agora, o mais difícil, manter. Próximo jogo contra o Inter cheio de desfalques em Porto Alegre. Jogo difícil, sem dúvida. Mas nossos jogadores e nosso técnico têm que estar conscientes que é um jogo decisivo. Pode ser a vitória que determinará o tetra-campeonato brasileiro. Explico: após o jogo contra o Inter teremos, na sequência, Portuguesa, Atlético-GO, Náutico e Flamengo. Só o jogo contra a  Lusa será fora de casa. 12 pontos nesses jogos com os 3 contra o Inter poderão nos deixar com uma vantagem administrável até dezembro.

Fácil? Claro que não. Possível? Totalmente. Com o elenco que temos, o time de guerreiros sempre formará com jogadores capazes de vencer qualquer adversário. E quem ousará duvidar?

domingo, 26 de agosto de 2012

Se cuida, Galo. Estamos chegando!

E o Fluminense, mesmo sem jogar bem, está empatado com o Atlético-MG com 42 pontos. Sim, eu sei que o Galo tem ainda 2 jogos por fazer mas, há de convir, que o time mineiro precisa vencer os 2 para abrir vantagem. E não será fácil pois jogará contra o Cruzeiro e contra o Flamengo (fora de casa).

A vitória no clássico contra o Vasco foi fundamental. Fundamental porque nos deixou numa excelente posição na briga pelo título. Fundamental porque joga toda pressão pra cima do Atlético. Fundamental porque afastou o Vasco dessa disputa. E fundamental porque enterrou de vez o trauma de clássicos que vivemos por um bom tempo.



Evidentemente o Fluminense tem elenco pra jogar um futebol melhor e não ficar refém das jogadas de bola parada. Mas o primeiro turno já foi e estamos em condições de disputar o título brasileiro de 2012, o 4° de nossa gloriosa história.

Assim, secador ligado contra o Galo hoje a tarde e para que haja várias expulsões do Corinthians, nosso próximo adversário, quarta-feira no Engenhão.